Seth Rich

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Seth Rich

Seth Rich (1988/9–2016) foi um americano que ficou conhecido nos Estados Unidos e até no exterior pela sua morte suspeita em 10 de junho de 2016, quando foi, segundo testemunhas oculares, assassinado a tiros em Washington por dois desconhecidos armados. No momento da sua morte, ele tinha 27 anos, era funcionário do Comitê Nacional Democrata (Democratic National Commitee, DCN), e tinha namorada, pais e irmãos. O assassinato permanece sem solução até hoje.

No entanto, o fato da polícia distrital da capital nunca ter encontrado assassinos a tempo e alegar que ele foi vítima de um roubo fracassado de bicicleta fez com que surgissem questionamentos sobre o caso no decorrer do ano. No dia seguinte (11 de junho), surgiram pela internet diversas teorias conspiratórias alegando que o assassinato de Seth Rich não foi uma tentativa de roubo e sim um crime político. De acordo com os que defendem esta tese, as autoridades usaram o roubo da bicicleta como desculpa para o ato não ser caracterizado como um crime político, e inclusive familiares estariam envolvidos no caso.

Rich estaria conectado aos vazamentos de e-mails do DNC (Democratic National Commitee) de 2016 ao Wikileaks, bem como à investigação do FBI sobre a Fundação Clinton, alegada fonte anônima ao Wikileaks, os casos do Clinton Body Count e o futuro caso Pizzagate.

Controvérsias[editar]

Tentativa de censura na Wikipédia[editar]

Entre 2016 a 2017, a Wikipédia tentou excluir por três vezes a entrada "Murder of Seth Rich" após o artigo ser alvo de uma disputa entre inclusionistas e delecionistas, especificamente na versão em inglês. Em 15 de agosto, os delecionistas iniciaram uma moção para excluir o artigo por "não ser notável", apesar da página receber uma média de 1500 visualizações diárias.

Foi tão supostamente imperceptível que um forte debate foi gerado ali na página de discussão e na seção "Excluir artigos", onde os editores essencialmente "votaram" em Manter vs. Excluir, supostamente com base na não notabilidade.[1] Entre os argumentos para excluir o artigo, havia uma referência repetitiva ao ponto de discussão "teoria da conspiração", embora o artigo nada dissesse sobre uma teoria da conspiração.

Em 17 de agosto, o editor que havia criado o artigo foi oficialmente bloqueado por um administrador e sua página de discussão dizia: "Você foi impedido indefinidamente de editar porque parece que você não está aqui para construir uma enciclopédia."[2] Em 21 de agosto, a moção para excluir foi negada por não haver consenso, embora um comentário falso depreciativo foi anexado atacando alguns dos que argumentaram a favor de "Keep".[1] Em seguida, o artigo ficou sumariamente encerrado até 27 de agosto de 2016, sendo protocolado um pedido de mediação.

Apesar do artigo não ter sido excluído, vários detalhes sobre o assassinato foram apagados do artigo pelos mesmos editores que defendiam a exclusão,[3] deixando o artigo um esboço um pouco curto. Em 24 de agosto de 2016, houve um debate contínuo e votação na página de discussão com o título "Este artigo deve mencionar o fato de que o WikiLeaks ofereceu $ 20.000 em recompensa por fornecer informações sobre o autor deste crime?" junto a este aviso de modelo: "Template:Ds/talk notice", que dizia: "Este artigo está sujeito a sanções discricionárias."

Em 18 de setembro, menos de um mês após a moção anterior de exclusão ter falhado, uma segunda moção de exclusão foi iniciada pelos mesmos editores que tentaram excluí-la pela primeira vez. Mais uma vez, em 4 de outubro, a moção de exclusão foi negada, pois não havia "consenso".[4] Em 19 de janeiro de 2017, três meses após a moção anterior de exclusão ter falhado, uma terceira moção de exclusão foi iniciada novamente, mas dois dias depois (21 de janeiro), a moção de exclusão foi negada rapidamente, por ampla maioria contra a exclusão.[5]

Acusações de encobrimento do caso[editar]

Apesar das autoridades americanas (da Polícia Metropolitana do Distrito de Columbia e do FBI), os sites de checagem de fatos (PolitiFact.com, Snopes.com e FactCheck.org) e a imprensa americana (rádios e TVs), que inclui os pais e parentes de Rich, declararem que as todas teorias da conspiração são infundadas, uma parte dos americanos não acredita nessa versão mostrada pela grande mídia convencional vinda de autoridades e dos parentes, pois a vêem como tentativa de encobrimento do caso de grande relevância, que acontecia no momento das eleições de 2016.

Salsa

Fontes[editar]