Este artigo é um esboço. Clique aqui para mais informações.

Ronald Levinsohn

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Cofrinho da Delfin

Ronald Levinsohn, conhecido como Tio Patinhas do crime organizado (Rio Grande, 9 de outubro de 1935 — Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2020), filho de pai inglês (judeu) e mãe argentina, foi dono do Grupo Delfin e de um dos mais rumorosos escândalos financeiros dos anos 1980. O Grupo Delfin era dono da maior caderneta de poupança do país, com 3,5 milhões de depositantes. No ramo imobiliário era a sétima empresa do mundo. Ronald Levinsohn pagou em dezembro de 1982 ao Banco Nacional da Habitação (BNH) uma dívida de Cr$ 60,8 bilhões com terrenos que valiam Cr$ 9,6 bilhões. Ex-controlador do que foi a terceira maior universidade privada do Rio de Janeiro, o Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro (UniverCidade), que contava com 35 mil alunos.

Ronald Levinsohn foi administrador da Colina Paulista, uma holding que tem negócios nas áreas da construção civil e da agricultura. Foi proprietário de várias fazendas na região de Barreiras, no oeste da Bahia, cuja área equivale a catorze vezes a cidade de Salvador, sendo considerado o maior plantador de soja do oeste baiano. Segundo Alberto Dines, Ronald Levinsohn, dono do antigo conglomerado financeiro Delfin, foi o responsável pelo grande escândalo financeiro que a ditadura militar não conseguiu encobrir. O caso Delfin foi classificado pelo Banco Central do Brasil como estelionato e Ronald Levinsohn realizou o sonho da casa própria de importantes jornalistas e opinionistas em troca de uma cortina de silêncio que perdura até hoje.

Como todo filho da puta Ronald Levinsohn nunca foi preso pelos seus crimes e morreu na impunidade.

Infância pobre no campo de concentração de Auschwitz[editar]

Ronald Levinsohn nem sempre foi milionário e nem sempre viveu em um apartamento de luxo em Manhattan de frente ao Central Park. Ele viveu uma infância pobre, passando frio e outras necessidades no campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, durante a Segunda Guerra Mundial.

Estudo nos melhores colégios e universidades[editar]

Ronald Levinsohn aprendeu tudo de finanças nas melhores escolas do mundo para passar a perna nos brasileiros e se dar bem.

Ligações externas[editar]