Fabiano Kipper Mai

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Fabiano Kipper Mai.jpeg

Fabiano Kipper Mai é um catarinense viadinho, covarde e feio pra caralho que, em 4 de maio de 2021, entrou numa creche em Saudades, Santa Catarina e tentou fazer cosplay de samurai, matando três crianças e duas professoras com uma katana (aquela famosa espadona ninja). No final ele tentou fazer o seppukuWikipedia's W.svg (suicídio) para o cosplay ficar completo, mas como nem pra isso ele serve, deu fail ao invés disso foi detido e internado em estado grave com os cortes. Provavelmente virou depósito na cadeia.[1][2]

Motivação[editar]

Até agora não se sabe nada sobre Fabiano ou suas motivações para cometer esse ato lulzy. Talvez tenha sido só por atenção, ou ele apanhou muito do papai quando era criança e cresceu bugado. Sabe-se só que ele tem 18 anos e não tem histórico policial, não era ex-aluno da escola, nem conhecia nenhuma das vítimas, então provavelmente não foi por vingança de bullying (como no caso do Massacre de Realengo). Pelo seu sobrenome, "Mai", é possível que ele seja descendente de japoneses, que hoje certamente se reviram no túmulo.

Na verdade, Fabichinha planejava o atentado na sua escola, mas ficou com medo de apanhar de pessoas da própria idade que tivessem um pênis mais extenso que o seu (incluindo as depósitos com seus clitóris de 2cm). Numa crise de insegurança, foi verificar na creche se também era o "menor" membro de lá. Frustrado com os pênis dos bebês também serem maiores que o seu, agiu feito um covardezinho que merecia ser mutilado e ter as partes do seu corpo expostas em praça pública, matando-os pelas costas. Ficou com medo desses reagirem, se o fizesse de frente.

No dia 14 de maio de 2021, a Polícia Civil de Santa Catarina reuniu uma coletiva de imprensa onde o delegado do caso afirmou que a motivação seria um "ódio generalizado" que o autor nutria há algum tempo (provavelmente daddy issues, ou levou um fora, ou se olhou no espelho e viu a bosta que era, ninguém se importa). Foi descoberto que o ataque já vinha sendo planejado desde o ano passado, denotando consistência na idiotice do beta fracassado assassino.

A escolha de uma creche como palco da chacina se deu pelo fato de ser um alvo mais fácil (ou menos difícil, porque Fabianinha apanhou de populares mesmo assim). Foi dito ainda que Fabiano tinha plena consciência do crime, dando a entender que é uma pessoa "normal", que não sofre de problemas mentais, além da própria imbecilidade.[3][4]

O crime[editar]

Por volta das 10 da manhã do dia 4 de maio de 2021, Fabiano chegou de bicicleta na creche Pró-Infância Aquarela, em Saudades, armado com uma "faca grande" que mais tarde foi confirmada como sendo uma katana. Ele entrou dentro da escola, escolheu uma sala aleatória e começou o actvm sanctvm, atacando quem podia, criança ou adulto. As vítimas fatais foram:

  • Sarah Luiza Mahle Sehn (1 ano e 7 meses);
  • Anna Bela Fernandes de Barros (1 ano e 8 meses);
  • Murilo Missing (1 ano e 9 meses);
  • Mirla Renner, agente educativa (20 anos);
  • Keli Adriane Anieceviski, professora (30 anos).

O restante das pessoas na creche se trancou em outras salas com as outras crianças. Foi aí que Fabiano tentou o churrasco sancto, mas ele não conseguiu se matar e em vez disso foi contido por vizinhos que ouviram os gritos.

Enquanto estava sendo levado na ambulância, Fabiano perguntou "matei cinco, né?".

Repercussão[editar]

Os eletrônicos de Fabiano foram apreendidos e ele segue internado. Lola Aronovich fez uma publicação sobre o ocorrido após receber e-mails anônimos dizendo que o ataque era ligado aos chans, e que muito provavelmente são blefes.[5] A mídia provavelmente está louquinha para ligá-lo à "extrema-direita" ou a chans na primeira informação nova que surgir. No Dogolachan, os dogoleiros acharam um fio criado em abril que poderia ter sido criado por Fabiano.[6]

Salsa