Eduardo Bolsonaro

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Eduardo Bolsonaro
EduBolso.jpg
Edu na sede da Wikinet para discutir o artigo sobre o Emerson
Nome realEduardo Nantes Bolsonaro
ApelidosBolsoKid #3, Eduardo Bananinha
Nascimento10/07/1984 (37 anos)
Rio de Janeiro
OcupaçãoDeputado
Advogado
Ex-escrivão
ResidênciaBrasília - DF
Outros linksTwitter
Altura1,89 m

Eduardo Nantes Bolsonaro é o filho mais jovem do grande Bolsomito com idade suficiente para sugar o dinheiro público atuar na política, depois de seus irmãos mais velhos Carlos (vulgo Carluxo) e Flávio e antes dos mais novos Renan e Laura (Laurinha). Ele é deputado federal por São Paulo (o mais votado do Brasil), ex-advogado, ex-escrivão da Polícia Federal e, de acordo com Emerson Eduardo Rodrigues, o financiador do seu artigo na Wikinet.[1]

Processos[editar]

O tweet infame que levou Eduardo Bolsonaro a entrar na Justiça.
  • PC Siqueira foi condenado a indenizá-lo em R$ 20.000. Perdeu em 1ª e 2ª instância. A decisão foi convertida em cumprimento de sentença.
  • Foi absolvido da ação movida por Lula e filhos por ter replicado seu inventário, publicamente exposto no site do TJSP. Lula recorreu.
  • Marques Zero foi finalmente citado depois de quase um ano de ação (2020) e apresentou defesa.
  • Não houve conciliação na 1ª audiência com a blogueira de Niterói, Tininha Mattos, que lamentou ter chegado atrasada no trabalho e perdido a oportunidade dar uma facada em Eduardo e seu pai. A ação segue rito normal do juizado especial.
  • Não houve conciliação na 1ª audiência com Paulo Ghiraldelli, filósofo e doutor pela USP que o chamou de neonazista dentre outras peripécias contra todos da família, inclusive Laura. A ação segue rito normal do juizado especial.
  • Representação no conselho de ética sobre ele ter citado o AI-5 em entrevista para Leda Nagle já havia sido arquivado. Porém a dep. Fernanda Melquiona (PSOL-RS) havia dito que iria recorrer. No dia 9 de junho de 2021 venceu o prazo e ela nada fez.
  • Ação de indenização por danos morais contra a empresária Maria Cristina Fontes de Mattos. O congressista alega que, em 1º de março de 2021, a empresária publicou em seu Instagram stories com conteúdo ofensivo, onde diz "outra facada em Jair Bolsonaro e provavelmente no Eduardo Bolsonaro". Na primeira audiência, ela alegou ser perseguida por Eduardo e o Gabinete de Ódio. As alegações foram arquivadas por falta de provas, o que motivou outro processo do político contra a empresária.[2]
  • O jornalista José Fucs, um dos primeiros a alegar a existência de uma "milícia digital", o está processando e pedindo indenização de 50 salários mínimos. O motivo foi o político ter usado a grafia errada de "jornalosta" (em vez de "jornalista") ao se referir a Fucs. O deputado afirmou que ainda não houve expedição de mandado de citação.

Galeria[editar]

Ver também[editar]

Salsa