Este artigo é um esboço. Clique aqui para mais informações.

Custe o Que Custar

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Marcelo Tas passa pano pro CQC, apesar de ter contribuído para a eleição de Bolsonaro.

Custe o Que Custar (mais conhecido pela sigla CQC) foi um programa de televisão humorístico brasileiro exibido semanalmente na Band de 2008 a 2015. Vários humoristas hoje famosos, como Danilo Gentili, Rafinha Bastos e Marcelo Tas, eram apresentadores do CQC.

Polêmicas[editar]

Olho que Tudo Vê na abertura[editar]

Em 2011, o programa inseriu na abertura, antes e depois nos intervalos, um desenho triangular com formato de olho. Esse símbolo se chama , ou Olho que Tudo Vê, e geralmente é associado a teorias conspiratórias sobre a maçonaria, os Illuminati e outros grupos questionáveis (governo mundial, globalismo, entre outros) de modo subliminar. Após ver vários comentários feitos por internautas sobre o simbolismo, muitas vezes com críticas, Marcelo Tas respondeu que tudo não passa de "imaginação".

Polarização política[editar]

Apesar de ter encerrado em 2015 e nunca ter chegado na liderança do horário (mas com muitos vídeos publicados na internet, principalmente no YouTube), o CQC passou a ser acusado nos anos seguintes de ter sido um dos responsáveis pela mudança da polarização política no Brasil. No ano da estreia em 2008, havia polarização entre os petistas vs. tucanistas graças ao acordo secreto desses grupos, que em uma década depois (especificamente em 2020) mudou para bolsonaristas (direita, monarquistas, nacionalistas, etc.) vs. establishment (petistas, tucanos, liberais, falsa direita, STF, OAB, etc). De acordo com acusadores, o CQC contribuiu para a futura ascensão da direita (incluindo a chegada de Jair Bolsonaro na presidência, depois fazer uma reportagem manipulada em 2011), enfraquecer a esquerda (principalmente os petistas) e o centro (direita ou esquerda), apesar das pautas esquerdistas no programa que contribuíram para a sua ruína. Alguns ex-integrantes do CQC, como Marcelo Tas, sempre negam isso, enquanto outros, como Monica Iozzi, tentam minimizar seus danos culpando o próprio CQC, sendo que a mesma gostava entrevistar políticos.