White Lives Matter

De Wikinet
Revisão de 05h56min de 7 de dezembro de 2020 por Saskeh (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

O White Lives Matter (#WhiteLivesMatter), ou Vidas Brancas Importam, é um slogan que começou por volta do começo de 2015 junto com All Lives Matter (#AllLivesMatter) e Blue Lives Matter (#BlueLivesMatter), os quais passaram a serem associados como resposta às contradições e críticas recebidas contra o movimento Black Lives Matter (#BlackLivesMatter). O Black Lives Matter foi inicialmente estabelecido para "protestar contra a brutalidade policial contra os afro-americanos" em 2014, quando o grupo ganhou considerável publicidade nos Estados Unidos e internacional em protestos na cidade de Ferguson (Missouri) que seguiu com a morte a tiro de Michael Brown nas mãos de um policial.

No entanto, quando os brancos passaram a defender que também as "vidas brancas importam" assim como outras etnias, a grande mídia corporativista e seus grupos aliados aos movimentos globalistas de esquerda (política e religiosa) ao Black Lives Matter (BLM) resolveram manipular os fatos para tachar o grupo White Lives Matter (WLM) de ser racista só porque defende o movimento branco em resposta ao movimento negro.

O BLM é defendido pelos negros e outras etnias simpatizantes sem saberem que o grupo defende a SUPREMACIA NEGRA contra outras etnias e não em DEFESA NEGRA, já que houve casos de violência de negros que agridem e assassinam brancos e negros, incluindo os críticos ao BLM que não concordam com a sua causa.

O WLM é defendido pelos simpatizantes à SUPREMACIA BRANCA e ao mesmo tempo a sua DEFESA BRANCA contra outras etnias, o que fez com que os defensores terem o seu espaço à mídia tradicional negados (já que contraria a agenda globalista deles), o que é uma grave contradição do grupo negro e aos supostos defensores à suposta "democracia" defendida por eles.

Apesar do WLM ter o espaço negado pela grande mídia corporativista (por preferir os grupos aliados aos movimentos globalistas) e ser repudiado pelo BLM acusado de "supremacia branca", o WLM não se importou o que outros dizem e passou a ser defendido por outros grupos desde então: Aryan Renaissance Society e seus grupos menores relacionados, a Ku Klux Klan, além dos grupos branquelos na Europa e a diáspora europeia espalhada pelo mundo, principalmente na internet.

Em 2016, o Southern Poverty Law e Anti-Defamation League adicionaram "White Lives Matter" à sua lista de grupos de ódio e os consideram um grupo neonazista.[1][2] No mesmo ano, os wikipedistas em língua inglesa tentaram criar o artigo (para que outros wikipedistas em outros idiomas a copiassem), mas por motivos meramente politicamente correto, os usuários anti-WLM decidiram redirecionar ao BLM com pouca informação, o que provocou certa polêmica entre os usuários contrariados sobre suposta imparcialidade que a enciclopédia online alega ter em sua política, já que All Lives Matter tem seu artigo mas com pouca informação.

Salsa