Vernáculo afro-americano

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa

O vernáculo afro-americano (em inglês: African-American Vernacular English (AAVE) ou Vernacular African American (VAA), também referido pelo termo controverso Ebonics) é uma variedade[1] da língua inglesa falada originalmente por afro-americanos da cidade e posteriormente também por brancos de classe média que querem parecer negros por várias razões. Os detalhes linguísticos do AAVE são irrelevantes para este artigo e provavelmente difíceis de entender para um público lusófono. O que é relevante é que o VAA se desenvolveu e permanece distinto do sotaque falado no sul dos EUA, a região do país onde há mais afro-americanos.[2]

História[editar]

O registro mais antigo de Ebonics foi aconteceu durante a caça às Bruxas de SalémWikipedia's W.svg, um evento lulz em que um monte de feminazis satanistas foram enforcadas [3] Uma das vadias era analfabeta em inglês, e suas palavras foram registradas:

He tell me he God

—Tituba, 1692

A frase tem dois erros: tell, na terceira pessoa, devia ser tells, e a cópula Wikipedia's W.svg necessita de um verbo, ou seja, o certo seria He tells me he is God.[4]

Ebonics[editar]

O termo Ebonics é mais amplo que VAA, mas está envolvido em polêmicas desde dezembro de 1996, quando o Conselho Escolar de Oakland tomou a decisão de reconhecê-lo como uma variedade do inglês.[5]

Uso por americanos brancos[editar]

Existem predominantemente três razões pelas quais americanos brancos falam VAA:

Pelo politicamente correto, falar pelos dois últimos motivos é considerado chocante e insultante. Chocante porque a fonologia não é natural e insultante porque priva o VAA de seu significado e contexto, ou seja, de ser falado por afro-americanos da classe trabalhadora da cidade.

Ironicamente, boa parte dos termos da VAA expressa desdém explicitamente pelo comportamento dos americanos brancos da classe média.

Lista de termos em VAA[editar]

  • ain’t nothing but a thang
  • baller
  • bougie
  • Caucasity
  • clap back
  • come correct
  • cut buddy
  • deadass
  • dindu
  • fast-tailed
  • get it how one lives
  • get up in
  • get up in someone's face
  • ghetto bird
  • go ham
  • hate on
  • holla at
  • homeboy
  • homie
  • hood rich
  • hot link
  • hush one’s mouth
  • I feel you
  • Karen
  • Lazarus
  • mean-mug
  • know what I'm saying
  • no-good ass
  • oldhead
  • on fleek
  • phat
  • player hater
  • roll up on
  • run game on
  • spill the tea
  • step off
  • talk to the hand
  • throw salt
  • wild out
  • woke
  • wolf ticket
  • my word is my bond

Ver também[editar]

Salsa

  1. Até a terminologia precisa é controversa.
  2. Enquanto os escravos negros eram introduzidos a partir do sudeste, as oportunidades econômicas no norte e a discriminação devido às leis de Jim Crow incentivavam uma migração em massa do sul para o norte. Por toda a influência sulista do VAA, é distinto do inglês americano do sul. Great Migration (African American)Wikipedia's W.svg (Não há tradução para o português.))
  3. E não, como seria muito mais legal, queimadas.
  4. Abagond: Ebonics: a brief history https://abagond.wordpress.com/2008/09/16/ebonics-a-brief-history/
  5. http://www.linguisticsociety.org/files/Ebonics.pdf
Ambox plus.png Este artigo precisa de mais lulz
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais lulz.
Ambox plus.png Este artigo precisa de mais pr0n
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais pr0n.
Ambox plus.png Este artigo precisa de mais link para um vídeo onde negros fazem gangbang em uma russa e falam ebonics enquanto fazem DAP
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais link para um vídeo onde negros fazem gangbang em uma russa e falam ebonics enquanto fazem DAP.