Atentados de Christchurch

De Wikinet
(Redirecionado de Massacre de Christchurch)
Ir para: navegação, pesquisa
Post de Brenton no 8chan

Os Atentados de Christchurch na Nova Zelândia foram atentados terroristas contra islâmicos dentro e fora de duas mesquitas, perpetrados por um sujeito chamado Brenton Tarrant em 15 de março de 2019. Tem bastante a ver com as interwebs.

Brenton anunciou no /pol/ do 8chan o atentado, falando que era hora de parar com o shitpost e fazer alguma coisa real. Ele escreveu um manifesto (que ninguém leu) e enviou em um monte de sites, uma vez que o imbecil não sabe disponibilizar um torrent. O manifesto se chama "The Great Replacement", e pode ser lido aqui. Para aumentar ainda mais o retardo, Brenton escreveu várias coisas nas armas, em referência a outros atentados contra muçulmanos.

Ele entrou no carro, um Subaru Outback, e começou a transmitir o vídeo no Facebook. Bem no começo da transmissão, diz "Remember lads: subscribe to PewDiePie" (em referência à então disputa de inscritos entre PewDiePie e o canal T-Series, os dois maiores canais do YouTube na época) e logo depois coloca a música do meme Remove Kebab para tocar, enquanto segue para a Mesquita Al Noor.

Brenton Tarrant preso.

Às 13h40 (horário da Nova Zelândia) entra na mesquita Al Noor e dispara, matando 41 pessoas.

Às 14h11, entra na mesquita Linwood e mata mais 8 pessoas. Depois, sai da mesquita, entra no carro e tenta ir para uma terceira mesquita, para matar ainda mais.

Foi então detido pelos policiais, que bateram a viatura em seu carro, na lateral, o forçando a parar. Os policiais arrastaram Brenton para fora do carro, e nesse momento ele teria gritado "I'm a soldier" para os policiais.[1]

Posteriormente, outros 2 feridos morreram no hospital totalizando um K/D de 51/0.[2]

Brenton Tarrant, o perpetrador[editar]

Brenton em seu julgamento, fazendo o símbolo de "Ok" com as mãos.

Brenton nasceu na Austrália, e tinha 28 aninhos quando cometeu o atentado.[3] Diz ser "apenas um homem branco comum da classe trabalhadora". Viajou bastante pela Europa, o que parece ter mudado suas percepções de mundo. É tão retardado que chegou a colocar dinheiro na pirâmide Bitconnect, além de alegar ter aprendido a matar com o jogo Fortnite.[4]

Escritos[editar]

Na arma de Brenton, haviam vários escritos e aqui estão as explicações:

Brenton Tarrant Gun.jpg

  • Anton Lundin Petersson - Um estudante que matou duas crianças imigrantes na Suécia em 2015 com uma espada.
  • Alexandre Bissonnette - Atacou uma mesquita e matou 7 no Canadá, em 2017
  • Skanderberg - Líder da Albânia responsável por uma revolta contra o Império Otomano
  • Antonio Bragadin - Oficial da República de Veneza, liderou a resistência veneziana quando os turcos atacaram Chipre.
  • Charles Martel - Militar franco que derrotou muçulmanos na Batalha de Tours.[5]
  • 14: referência às "14 palavras": "We must secure the existence of our people and a future for white children".
  • Ebba Åkerlund: Garota de 11 anos brutalmente atropelada por um muçulmano em Estocolmo, durante um atentado.[6]

Nos cartuchos de munição, Brenton também escreveu nomes, inclusive em outros alfabetos:

Brenton Tarrant Magazines.jpg

  • David Soslan - Um rei georgiano dos séculos 12 e 13, conhecido por seu sucesso militar em guerras contra nações muçulmanas vizinhas
  • David IV da Geórgia - Considerado o maior governante da história da Geórgia. Ele expulsou as forças turcas do país na Batalha de Didgori, em 1121, antes de controlar a maior parte do Cáucaso, dando início à Idade de Ouro da Geórgia
  • Dmitry Senyavin - almirante russo, travou campanhas contra os turcos, incluindo a Guerra Russo-Turca (1787-1792) e a Guerra Russo-Turca (1806-12)
  • Serban Cantacuzino - Ex-príncipe romeno que planejava atacar e despedir Constantinopla e expulsar os otomanos (turcos) da Europa
  • Marko Miljanov (ele escreveu errado) - Um general montenegrino que travou várias campanhas contra os otomanos
  • Stefan Lazarević - príncipe sérvio que serviu como vassalo para os otomanos antes de libertar seu país de seu domínio e estabelecer um estado independente
  • Edward Codrington - almirante britânico e mais tarde comandante em chefe que lutou nas guerras napoleônicas. Ele também lutou contra os turcos e egípcios durante a Guerra da Independência Grega, ajudando os gregos a obter independência dos otomanos
  • Marco Antonio Bragadin - Militar da República de Veneza, que liderou a resistência veneziana quando os turcos atacaram Chipre. Ele foi morto pelo general turco depois de se render junto com todos os cristãos que permaneciam na cidade
  • Ernst Rüdiger von Starhemberg - Um governador militar de Viena que defendeu a cidade dos otomanos na Batalha de Viena em 1683. As referências a essa batalha estão rabiscadas em vários lugares nas armas do assassino[7]

Brenton Tarrant Magazines 2.jpg

  • For Rotherham - Talvez em referência às gangues de muçulmanos de Rotherham.
  • Alexandre Bissonnette - Atacou uma mesquita e matou 7 no Canadá, em 2017
  • Luca Traini - Neonazista italiano que tentou matar africanos em um atentado. Não conseguiu matar nenhum.
  • Sebastiano Venier - lutou contra turcos na Batalha de Lepanto[8]
  • Shipka Pass - em referência à uma batalha entre o Império Russo e o Império Otomano
  • Novak Vujoševi - Guerreiro na Batalha de Fundina, em 1876, que matou 28 otomanos.[9]

Repercussão[editar]

Um monte de políticos da Nova Zelândia e do mundo se disseram tristes e preocupados com o ocorrido, embora saibamos que eles não dão uma foda.

O Youtuber PewDiePie disse "Eu me sinto absolutamente enojado de ter meu nome pronunciado por essa pessoa" e deu suas condolências aos afetados pelo massacre. Na verdade, ele deve ter achado engraçado, mas não queria perder inscritos e/ou dinheiro.[10]

Fraser Anning, um político e absoluto louco homem australiano transferiu a culpa aos imigrantes muçulmanos, comparando o Islã ao fascismo.

O governo da Nova Zelândia começou a querer mudar as leis de armas depois do ocorrido.

O YouTube começou a excluir os vídeos do Remove Kebab depois do ocorrido, mas, curiosamente, não excluiu o original e mais antigo deles.

Ver também[editar]

Salsa