Império Romano

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa
"Com dezenove anos, por minha própria iniciativa e às minhas próprias custas, levantei um exército por meio do qual restabeleci a liberdade na república, que havia sido oprimida pela tirania de uma facção. Para qual serviço o senado, com resoluções complementares, me inscreveu em sua ordem."

—Caio Otávio, posteriormente conhecido como Augusto, fundador do império e primeiro imperador Romano.[1]


Escudo do Império Romano.
Império Romano em seu tamanho máximo, sob o comando de Trajano em 117.

Império Romano (em Latim: Imperium Romanum ou Senatus Populusque Romanus) foi um império grande pra caralho que durou um tempo considerável, começando em 27 a.C. e terminando em 395 d.C. É claro que sua queda definitva (no caso ele partiu ao meio igual um coco) foi em 476 d.C. pra sincronizar com a Idade Média e, consequentemente, com a Bíblia (que coincidência, vejam só!). Assim, calcula-se que durou cerca de mil anos, sendo que foram 500 anos de república e 500 anos de império de facto. Um fodendo Império.

Mas antes que venha um historiadorfag cagar na minha cabeça com "ah mas você está errado pois acredita-se que os fundadores foram 'Rômulo e Remo' então não foi Augusto o primeiro imperador!", estou considerando a partir do império de fato e não o todo. Ou seja, "república vendida separadamente".

História[editar]

O Império (como dito antes nesta merda) sucedeu a república que, por cagadas internas daqueles senadores babacas acabou caindo gloriosamente. Tinha terra pra dar e fuder, extendendo-se em volta do mar mediterrâneo pela Europa, África (uma parte né) e Ásia. É claro que com toda essa expansão os paus no cu acabaram chegando em Jerusalém, capital dos judeus, provocando futuramente a diáspora judaica mas, essa cagada é pra outra hora.

A república, que havia manjado rola legal mantido sua supremacia por cinco séculos, viu o início do fim com uma instabilidade digna de uma senhora com parkinson, guerras civis, conflitos políticos e pra completar, a nomeação de Júlio César Wikipedia's W.svg como ditador perpétuo (Kin Jong-Un da antiguidade clássica).

Com o assassinato de César em 44 a.C., a cagada já estava feita e as guerras civis culminaram na vitória de Caio Otário Otávio sobre Marco Aurélio Wikipedia's W.svg e Cleópatra. Assim, o senado que - só Deus (ou nem ele) sabe por quê ainda existia - detentor de uma autoridade "inquestionável" atribuiu a Caio Otávio Wikipedia's W.svg poderes absolutos e o novo título de Augusto, acabando com a república fodasticamente.

O resto é recheio mas é interessante. O período imperial prolongou-se por cerca de 500 anos sendo que os dois primeiros séculos foram marcados por uma paz (suspeita), a chamada Pax Romana. Aqui, vai ter um salto temporal. Nesse meio tempo: Augusto anexou o Egito, Calígula foi assassinado em 41 d.C., o senado sendo os cagalhões de sempre quiseram restaurar a república, o que levou a guarda pretoriana a proclamar Cláudio Wikipedia's W.svg imperador. Não sei vocês mas, isso me lembra a história de um certo país.

Durante este período, o Império cresceu mais, em 68 d.C. Nero se matou, começou um mini guerra civil e quatro generais foram instituídos para governar. Em 69, Vespasiano Wikipedia's W.svg chegou fudendo o rabo de geral e, triunfando sobre todos, instituiu a dinastia Flaviana Wikipedia's W.svg. Depois disso o Vesúvio explodiu na cara de uns babacas lá e o Coliseu foi inaugurado por Tito Wikipedia's W.svg, filho do pirocudo.

Após isso, Domiciano Wikipedia's W.svg (outro imperador, só não me pergunte qual) foi assassinado, tendo o senado cagado nas calças de novo, levando-os a nomear o primeiro dos cinco "bons" imperadores, Trajano Wikipedia's W.svg. Nesse tempo, o império atingiu seu apogeu em tamanho máximo (ver mapa acima).

Depois disso, um monte de merda aconteceu, um monte de gente morreu, teve um monte de batalhas e tudo isso terminou com o triunfo de Constantino Wikipedia's W.svg que moveu a capital para o oriente, virando cristão um pouco depois. Istambul, era chamada Constantinopla em homenagem ao dito cujo. Eu só não escrevo por preguiça mesmo.

Por fim, o império ocidental (sim, o glorioso império romano havia se partido) sofria com ataques internos (reformas militares e mais guerras civis) e externos (bárbaros) tudo isso após a morte do filha de uma puta do Teodósio Wikipedia's W.svg que abusou do poder até não sobrar mais porra nenhuma. A queda total do Império Romano do Ocidente se deu com a deposição de Rômulo Augusto Wikipedia's W.svg por Odoacro Wikipedia's W.svg em 476 d.C., assinalando o início da idade média.

Já o Império do Oriente durou até 1453 quando os otomanos resolveram foder sem vaselina e transfomaram aquela porra toda na Turquia e agregados.

Conclusão[editar]

Resumindo muito, essa foi a trajetória do Império Romano até a chegada da idade média onde houveram tentativas de restaurar a união e glória do antigo império (Império Latino e Sacro Império Romano-Germânico).

Com a expansão européia nos séculos XV a XX, a cultura romana foi difundida, ajudando significativamente na construção do mundo atual (que é uma bosta diga-se de passagem).

Ver também[editar]

Salsa[editar]

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Romano