HTML

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa

HTML, que quer dizer alguma merda qualquer que não faz o menor sentido, é o formato padrão das páginas da World Wide Web. Se não levarmos em conta as partes que são feitas em Javascript, algumas viadagens feitas em CSS, as babaquices em Flash e Java, e possivelmente um monte de outras porras menores que o pessoal adora inventar, quase todo o conteúdo que é processado pelos browsers e exibido nas telas é código HTML.

Ou seja, quando você vista algum site de putaria de imagens, o que você vê é HTML transformado em texto (que você ignora) e imagem (que você fapa).

História

A filosofia do HTML é que ele seja suficientemente simples para que qualquer idiota pudesse escrever em HTML, mas também com poder de gerar texto formatado combinado com imagens, para que o visual não fosse muito escroto.

A ideia do HTML surgiu em 1989, quando o inglês Tim Berners-Lee, provavelmente enquanto folheava uma revista de mulher pelada, pensou que seria legal se a revista pudesse ser lida no computador, ou seja, que o computador pudesse mostrar a mulher pelada junto do texto com a história sobre a depósito. Um pequeno retrospecto: a ARPANET havia virado Internet em 1983, mas a Internet ainda era uma coisa de nerd; para poder ler um texto era preciso saber usar protocolos de e-mail, e para ver uma imagem era preciso saber usar coisas malucas tipo FTP. E nem pensar em combinar texto com imagem!

A ideia do TimBL acabou ganhando corpo quando, em 1991, foi criada a World Wide Web, em que uma página da internet tem o prefixo "http:" e era uma merda escrita em HTML. O segundo fator que deu um grande destaque ao HTML (o primeiro, já falamos acima, foi poder combinar pornografia visual com pornografia escrita) foi o hiperlink, ou seja, o fato de que uma página escrita em HTML tem a possibilidade de conter links para outras páginas HTML, ou seja, o que fez com que, no início (até mesmo agora) uma pessoa que visitava uma página da Web fosse quase sempre levada a visitar outras páginas, de forma que a pessoa esquecia da sua vida real, e acabava passando a maior parte da vida online (não mudou muito desde então), que nem em wikis que você lê um artigo que tem links para outros artigos, e você clica nesses links para ler outros artigos que também contém links e... É um círculo vicioso. A não, ser é claro, que a wiki seja falha e só contenha links vermelhos, mas se você for um editor isso é ainda pior porque você vai passar mais tempo azulando links do que lendo artigos.

HTML básico

Porra, a gente não vai ensinar HTML, por dois motivos: primeiro, que esta merda, hoje, se tornou obsoleta, ou seja, você não precisa mais saber HTML para fazer uma página da Interwebz, já que praticamente qualquer site tem formas mais simples de fazer isto, por exemplo, o software MediaWiki. Segundo, que tem outros sites que ensinam isto melhor do que a gente, então foda-se, vai procurar no Google ou no Wikilivros e aprende por lá.

No entanto, como ainda pode ser preciso usar HTML, e como dar exemplos de HTML é um bom pretexto para encher a Wikinet de fotos de mulher pelada vamos mostrar alguns casos simples de seu uso.

O HTML é um filho bastardo do XML, porém, enquanto o formato XML é muito rigoroso, ou seja, se você abre alguma coisa com <uma porra>, você sempre é obrigado a fechar com </uma porra>, o HTML, pelo menos nas suas primeiras versões, era mais flexível, e admitia abrir sem fechar. Por exemplo, para forçar uma quebra de linha, pode-se usar <br> e para forçar uma quebra de parágrafo <p>.

Um link é feito através de <a href=...>, seguido de um texto (ou imagem), e fechando com </a> - neste caso, tem mesmo que fechar a porra do XML.

Uma imagem é inserida simplesmente como <img src=...>, e não é preciso fechar a porra do XML.

Claro que tudo isto, <br>, <p>, <a href=...> e <img src=...>, pode ficar mais complicado, podem-se colocar parâmetros, por exemplo, pode-se forçar um tamanho de imagem, mas, foda-se, o objetivo aqui é apenas expor o básico.

Existem várias formas de formatar o texto, com negrito, itálico, sublinhado, riscado, listas, tabelas, cores, fontes - e algumas destas opções são iguais ao MediaWiki, ou seja, se você sabe MediaWiki, também sabe fazer estas merdas em HTML, como cores: <font color="pink">escreva aqui alguma viadagem</font>.

Por mais simples que seja o HTML, tem sempre idiotas que não conseguem escrever neste formato, então foram criados um porrilhão de editores HTML para ajudar estes n00bs. Obviamente, todos estes editores são uma merda, são softwares feitos por idiotas para idiotas.

Os burocratas bem que tentaram, mas não conseguiram acabar com isto

O formato é simples, bom, rápido de processar, fácil de usar, ubíquo, eficiente e permitiu a divulgação e popularização da pornografia. Não tem nada errado, não é? Então é óbvio que apareceram alguns espíritos de porco querendo cagar o HTML.

E eles quase conseguiram: desde 1996, existe uma porra chamada World Wide Web Consortium (W3C), formada por um bando de desocupados que recebem salário dos fabricantes de software, para "regulamentar" o HTML, ou seja, para ficar inventando merda. Para tentar fuder com o HTML, eles passaram quatro anos (de 2002 a 2006) tentando inventar uma merda chamada XHTML, que pegaria tudo de ruim que tem no XML e incorporaria ao HTML. A última tentativa deles fuderem com o HTML foi quando vomitaram o protocolo HTML5, um trabalho que começou em 2008 e terminou em 2014 e que ficou uma merda. Vamos ver que merda este bando de babacas vai fazer nos próximos anos, porque parece que a cada cinco anos depois de fingirem que trabalharam pra caralho eles vem com um novo protocolo.

Ver também