GNAA

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa
Gnaa-logo.png

GNAA (Gay Nigger Association of America) é um grupo da internet de trolls, com origem nos Estados Unidos da América. Slashdot, Wikipedia, CNN, o site de campanha de Barack Obama, e Alex Jones são exemplos de vítimas do grupo. Eles estão listados como grupo cyberterrorista na TRAC.

Trollagens[editar]

A GNAA costumava fazer flooding em sites e IRCs. Também produziram sites de choque contendo malware, um desses sites, "Last Measure", contém malware incorporado que abre "uma cascata interminável de janelas pop-up exibindo pornografia ou imagens médicas horríveis".

Anos 2000[editar]

Em 2005 a GNAA anunciou que haviam criado uma versão do Mac OS X Tiger para processadores Intel x86 (só havia para processadores PowerPC da IBM/Apple). Conseguiram atenção da mídia, mas como bons trolls que são disponibilizaram uma ISO por torrent que apenas tinha uma imagem de choque (tipo o Goatse).[1][2]

Em 2007 convenceram a repórter Paula Zahn, da CNN, de que um em cada três americanos acreditavam que o 11 de setembro foi realizado por agentes israelenses. Deu tão certo que a CNN abriu um debate na TV sobre antissemitismo, inclusive entrevistando um pai de uma vítima judia do 11 de setembro. A GNAA era dona de um site que dizia que "mais de 4000 judeus não estavam trabalhando quando o 11 de setembro aconteceu".

Ainda em 2007, o site de campanha de Barack Obama foi invadido, fazendo com que o nome do grupo em extenso aparecesse na pagina inicial do site.[3]

Anos 2010[editar]

Em 2010, a GNAA usou de usuários de IRC para floodar vários chats, sem que eles soubessem. Bugs no Firefox e Safari foram usados no ato.

O hack no Tumblr.

Em 2012, a GNAA criou o site "linuxforniggers.us", o que seria um site sobre o desenvolvimento de uma distribuição Linux voltada para afro-americanos. O site fornecia um link para uma ISO que após o boot, a área de trabalho mostrava uma apresentação de slides de estereótipos afro-americanos.[4] Ainda em 2012, a GNAA fez um de seus ataques mais conhecidos, que usou de cross-site scripting contra o Tumblr, para fazer deface em milhares de blogs para que esses mostrassem uma mensagem em apoio a GNAA.[5]

O vandalismo na Wikipedia.

Em 2013, com o apoio do 4chan, a GNAA foi iniciado uma campanha chamada "cut4bieber" no Twitter, que encorajava fans de Justin Bieber a se cortarem pelo seu mestre ídolo.[6]

De 2014 a 2015, os membros da GNAA começaram a desempenhar um papel ativo na controvérsia Gamergate, sabotando os esforços feitos pelas partes pró-Gamergate. Vários membros da GNAA conseguiram obter acesso administrativo à board principal do Gamergate no 8chan, que eles interromperam e então fecharam. A GNAA também assumiu a responsabilidade de divulgar informações privadas relacionadas a muitos ativistas pró-Gamergate.

Em 13 de outubro de 2016, o membro da GNAA "Meepsheep" vandalizou a Wikipedia, fazendo com que os artigos de Bill e Hillary Clinton tivessem o fundo trocado por imagens pornográficas e uma mensagem apoiando o candidato Donald Trump.

Goatse Security[editar]

Andrew "weev" Auernheimer. Parece o Guilherme Boulos.

Os membros da GNAA também fundaram a Goatse Security, um grupo hacker do tipo "grey hat", que tem o nome inspirado no Goatse.ck. Em 2010, milhares de usuários dos serviços da AT&T tiveram seus dados vazados pelo grupo, o que levou a prisão do então presidente da GNAA Andrew "weev" Auernheimer e Daniel "JacksonBrown" Spitler.[7]

Ver também[editar]

Referências