Day McCarthy

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Day McCarthy
Day McCarthy.jpg
Nome realDayane Alcantara Couto de Andrade
ApelidosDay McCarthy
Nascimento1988 ou 1989[1]
Vitória, Espírito Santo
OcupaçãoSocialite, escritora, postadora de bosta, ex-prostituta
ResidênciaCanadá

Dayane Alcantara Couto de Andrade, mais conhecida como Day McCarthy, é uma socialiteWikipedia's W.svg, ex-garota de programa e jorge brasileira que se naturalizou norte-americana e atualmente mora no Canadá, igual a Luiza. Ela ficou conhecida no Brasil em 2017 por postar suas jorgices nas principais redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram) através de vídeos e postagens feitos fora do Brasil. Seu repertório de provocações inclui comentários racistas e capaticistasWikipedia's W.svg contra filhos de famosos e até queimar uma Bíblia.[2]

Com a repercussão das suas idiotices na internet, Day McCarthy teve seu rosto, nome e perfil expostos publicamente na TV (principalmente pela Globo, a mais influente rede de televisão do país, onde umas das vítimas trabalhava), o que fez com que internautas brasileiros de diferentes crenças a linchassem virtualmente nos seus perfis nas redes sociais. Devido às inúmeras denúncias, seus perfis foram suspensos, mas volta e meia ela cria perfis novos, que são novamente denunciados e suspensos.

Apesar das dezenas de provas dos crimes cometidos por Day McCarthy na internet, o que gerou diversos registros policiais contra ela feitos por vítimas, as autoridades brasileiras nunca emitiram nenhum pedido às autoridades da Interpol e da América do Norte (Estados Unidos e Canadá) para a captura e repatriação dela ao Brasil. Desde então, ela goza de impunidade em outro país, tudo graças à incompetência das autoridades e das vítimas brasileiras.

Biografia[editar]

Antes de 2017[editar]

Dayane Alcantara Couto de Andrade nasceu em Vitória, Espírito Santo, em 1988 ou 1989.[1][3] Pouco se sabe da sua infância e juventude, pois as informações vêm de seus inimigos, dos seus familiares e dela própria.

Afirma escrever desde os 14 anos de idade, ter quatro livros publicados e dominar quatro línguas estrangeiras: inglês, francês, italiano e alemão. Ela também alega possuir três diplomas fora do Brasil: dois em Belas Artes (um pela New York Film Academy e outro por Harvard) e um de administração tirado na Universidade George Washington.

Nos Estados Unidos, ela trabalhou como garota de programa.[2] Em setembro de 2015, foi presa por prostituição organizada na Virgínia.[1]

2017: Controvérsias[editar]

Caso Titi (filha de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank)[editar]

Num vídeo publicado em 2017 no Instagram, Day McCarthy chamou Titi, a filha negra adotada de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank que à época tinha 5 anos, de "macaca", "horrível" e "cabelo de pico de palha".

Os pais entraram em processo contra a socialite por racismo. Ela está respondendo na justiça brasileira por injúria e difamação. Na ocasião, Bruno afirmou:

Eu espero que aconteça justiça e por isso que eu estou aqui, como pai e como cidadão. É um crime e ela precisa pagar pelo que ela fez. É uma criminosa e eu acho que o mais importante de tudo é que eu estou aqui.

Caso Rafaella Justus (filha de Roberto Justos e Ticiane Pinheiro)[editar]

Também em 2017 no Instagram, McCarthy chamou Rafaella Justus, a filha de Roberto Justos e Ticiane Pinheiro e portadora da síndrome de CrouzonWikipedia's W.svg, de "Chucky" (em referência ao boneco assassino dos filmes de terror); à época, Rafaella tinha sete anos.

Os pais entraram em processo contra a socialite por difamação e ela também está respondendo na justiça brasileira por isso. Em defesa da sua liberdade de expressão, McCarthy comentou:

As pessoas me chamam de feia e é ok, mas chamar a menina de feia não é ok. Esse povo puxa muito o saco de famoso. Vocês acham ela a cara do Chuck mas não têm coragem de falar. Mas eu tenho. Isso porque a Ticiane deu o golpe em velho. Filho de velho nasce com doença.

Chantagem contra Anitta e Thaila Ayala[editar]

Em uma ocasião, Day McCarthy afirmou que tanto a cantora Anitta como a atriz Thaila AyalaWikipedia's W.svg eram usuárias de cocaína. Ela teria presenciado as duas usando a droga e feito um registro em formato de vídeo. Apesar de ter ameaçado divulgar esse material, o vídeo nunca veio à tona, pois segundo ela, ela nunca o divulgou "a pedido dos fãs", o que foi considerado chantagem pelos fãs de Anitta e Thaila.

Por meio de uma nota de sua assessoria de imprensa, Anitta negou as acusações, que chama de "calúnias absurdas". O comunicado diz:

A cantora lamenta profundamente que calúnias absurdas a seu respeito provenientes de correntes de seguidores e likes em redes sociais possam tirar o foco do preconceito, do crime repugnante de racismo e homofobia praticado contra crianças. Anitta se solidariza com todos os que sofrem ataques virtuais por meio das redes sociais e repudia qualquer tipo de preconceito, homofobia, racismo, injúria e mentira. Por fim, a artista faz um apelo para que os meios de comunicação e seus seguidores não deem espaço e credibilidade a discursos de ódio e aproveitadores dessa natureza.[4]

Por meio do Instagram, Thaila Ayala também negou as acusações, que chamou de "acusações mentirosas":

Gostaria de manifestar minha revolta em relação a essas acusações mentirosas a meu respeito sobre um suposto vídeo que obviamente não existe. É absurdo que essa mentira se sobreponha a um crime de racismo cometido contra uma criança. Por favor, vamos parar de dar atenção e espaço a esse tipo de atitude inconsequente e irresponsável. Me solidarizo profundamente com todos que vêm sofrendo esse tipo de ataque virtual. Vamos focar nossos esforços contra todo tipo de preconceito, homofobia e racismo. Por mais amor e menos discursos de ódio.[5]

Caso Alexandre (filho de Ana Hickman)[editar]

Numa postagem do marido de Ana HickmanWikipedia's W.svg mostrando Alexandre, o filho de oito anos do casal, McCarthy comentou, através da conta "Débora Bleiker":

Esse seu filho é um bicha do caralho! Eita menino bicha rediculo (sic)! Horroroso e magrelo nojento!!

[6]

Ana Hickman expôs McCarthy e registrou um boletim de ocorrência contra ela. McCarthy disse que estava bêbada com sua amiga na Suíça e por isso acabou passando dos limites, mas logo depois, apenas para zombar da situação, ela postou uma foto antiga dela com Ana Hickman.

Vídeo pedindo "Fora Temer"[editar]

Em 2017, sites e comunidades das redes sociais ligadas à esquerda brasileira aproveitaram o escândalo de McCarthy para mostrar uma foto em que ela aparece vestida com a camisa da campanha de Donald Trump e dizer que ela é integrante da "direita", algo que foi rechaçado imediatamente pelos direitistas brasileiros, sob alegação de que não compactuam com as falas dela.

No entanto, pouco tempo depois, um vídeo onde McCarthy aparece vestida com uma camisa branca e uma saia de arco-íris e pede o "Fora Temer" a paneladas, postado originalmente em 2016, foi resgatado pelos direitistas, assim como postagens esquerdistas dela em redes sociais, o que gerou uma controvérsia entre os esquerdistas.

Vídeo queimando a Bíblia[editar]

Day McCartry queimando a Bíblia.

No final de dezembro de 2017, começou a circular um vídeo em que McCarthy lê o Salmo 91 e queima a página, e depois a Bíblia inteira, com um isqueiro que ela tira de dentro do sutiã, como também chama os cristãos evangélicos de "lixo".[2]

No vídeo, ela diz, sardonicamente:

Um salmo para os crentes que falaram que eu não sou filha de Deus, que eu tenho pacto com o diabo, que eu sou uma pessoa do demônio. Vou ler um salmo para vocês.

Depois de 2017[editar]

Hora ou outra ela volta com mais alguma provocação gratuita na internet, mas seus perfis nas redes sociais são sempre denunciados e subsequentemente derrubados.

Em 2018, entrou num show musical da Anitta nos Estados Unidos, mas foi reconhecida e agredida pelos fãs da cantora.

Salsa

Redes sociais[editar]