Censura

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa
De tanto preocupar-se com a face das pessoas, o Google Maps acabou censurando um monumento.

Censura é o ato escroto de apagar ou eliminar alguma informação. O filho da puta que pratica a censura se chama censor.

Nem sempre foi assim. A palavra censor e a palavra censo tem a mesma raiz, em latim, porque, na República Romana, o censor (eram sempre dois de cada vez) era o responsável por fazer o recenseamento dos cidadãos, alguma porra que eu não entendi sobre o Senado e as obras públicas, e fiscalizar a conduta moral dos cidadãos. É por causa desta última função, que os censores sempre abusavam para fuder os inimigos políticos, que deriva a conotação atual de censura.

Hoje em dia a censura é uma praga que permeia tudo. Tem censura na televisão, revistas, jornais, rádio, livros; até mesmo a anárquica Internet sofre censura, porque não existem países livres onde possam ser hospedados sites com qualquer conteúdo, e sempre haverá algum filho da puta que pode levar os donos do site à "justiça" para que eles sejam punidos por tentarem exercer a liberdade de expressão.

Racionalidade da censura

Imagem inadequada para crianças e adolescentes. Os defensores da censura acreditam que colocando tarjas pretas sobre as partes obscenas de imagens, elas se tornariam aceitáveis para todas as idades. Isto é um erro: o que é oculto torna-se sedutor, e provavelmente faz mais pessoas procurarem, mesmo recorrendo a meios ilícitos.
Imagem com conteúdo impróprio censurado.

É claro que se existe censura, é porque tem gente que defende a censura (e neste caso eu não chamei os caras de filhos da puta porque alguns deles realmente acham que estão fazendo o bem).

Alguns acham que é válido censurar informações que podem trazer perigos à segurança nacional, como divulgar horários das ações policiais ou as identidades dos agentes secretos.

Outros acreditam que ideias tóxicas (ou seja, memes do mal) podem infectar pessoas, levando-as a se tornar psicopatas assassinos.

Outros usam a censura com o pretexto de proteger as criancinhas.

Censura no Brasil

Obviamente, havia censura pra caralho durante a Ditadura Militar e, teoricamente, a censura acabou com a volta da Democracia.

Só que não foi bem assim, e o pior é que as pessoas mais sensatas e liberais acabaram dando aos censores o pretexto para voltar.

O auge da democracia no Brasil foi o histórico dia 16 de abril de 1992, quando a extinta Rede OM (cujo dono diziam ser um testa de ferro do Presidente Collor) exibiu a primeira parte do filme Calígula. Eles prometeram passar a segunda parte dois dias depois (porque o dia seguinte era a Sexta-Feira da Paixão, uma data não muito recomendável para passar putaria), mas houve tantos protestos que a censura ressurgiu.

A partir daí, como diz o ditado popular, depois que passa o boi, passa a boiada. Com o pretexto idiota de "proteger as criancinhas", passo a passo, foram censurando tudo.

Em 1996, proibiram propagandas de cigarro em horários diurnos na televisão e rádio. Uma iniciativa aparentemente nobre, mas foi mais uma vez a sociedade preferindo métodos truculentos da ditadura em vez de investir em esclarecimentos e educação.

Logo depois, proibiram bundas em propaganda de cerveja, e mais tarde proibiram de vez as bundas e as cervejas em propagandas.

Tiazinha foi uma das pessoas perseguidas pela censura.

Um dos casos mais deprimentes de censura fez de vítima a Tiazinha. Ela fez sucesso em 1998, aparecendo em um programa de TV completamente vestida, com máscara, uma calcinha opaca e um enorme sutiã, que ela fingia tirar no final do programa. Nesta época, já havia muita censura na televisão, então este quadro inocente foi considerado "sensual". Mas, para aproveitar o sucesso, ela lançou em 1999 uma linha de cadernos escolares com a sua imagem. O que os filhos da puta fizeram? Mandaram recolher os cadernos, colocando-se acima dos pais das crianças que queriam comprar os cadernos para educar os filhos na senda do heterossexualismo - e nem se preocuparam em indenizar a modelo pela renda perdida.

O carnaval, que era uma festa da sensualidade da mulher carioca, foi sendo corroído por juízes inescrupulosos e cúmplices da viadagem, que tiravam pontos das escolas que apresentavam mulheres gostosas. O resultado é que agora não tem mais nenhuma gostosa desfilando, e as poucas que conseguem se mostrar não aparecem na televisão.

Censura na Internet

Tirando sites filhos da puta que se auto-censuram, não existe censura de pornografia na Internet.

A coisa pega quando se fala de pedofilia, drogas, nazismo e terrorismo, mas, o pior, é o tal copyright. Em nome do copyright, qualquer coisa pode ser removida, até mesmo sites que colocam a Bíblia já foram tirados do ar (com o pretexto idiota de que a tradução havia sido feita há menos de 70 anos).

Ver também

Ligações externas