CKW

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa
CKW
Mirai Kuriyama.jpg
ApelidosAl1ne3737, CKW, Deusa das Hackearias, Cheirosinha
Nascimento1990~1999
Conhecido(a) por- Hackearias
- Ex-dona do Realchan
- Ex-dona do Magalichan
- Líder do grupo Pryzraky
- Dona do Confraria Animefags

CKW (c. antes de 2003, Indonésia), também conhecida como Al1ne3737 (Twitter) e vários outros nomes, é uma animefag, attention whore e ex-channer que afirma ser uma grande hacker de origem sino-indonésia. A partir de fevereiro de 2020, ela ficou conhecida na chansfera por criar três chans: o Pepechan, o 20chan e o 77chan, além de herdar o RealChan e o Magalichan do Technomage. Após todos esses chans darem fail, ela apagou todos, virou paneleira e desde então modera grupos falhos no Discord onde tem a fama e reconhecimento que sempre quis. Também teve envolvimento com a Confraria Braziliense ao oferecer ao Carnaúba um chan em nome da Confraria. Após ele recusar, ela se retirou da Confraria e alega que ele a tenha banido.

Além dos dois mais conhecidos, já diz ter usado inúmeros outros nicks, incluindo whoami, unkn0wn, concierge, Cheirosinha e m1leva. Como hacker, afirma ter participado de grupos como AnonGhost Indonesian e m1n3b0y$, além de ter fundado seu próprio grupo, Platypus Squad, o qual abandonou depois que a conta foi desativada pelo Twitter por divulgação de vulnerabilidades graves em bancos do Brasil. Atualmente diz integrar os grupos Pryzraky, Hack the Planet (HTP) e Cyberteam Portugal, além do LizardSquad (a partir de 2018), PoodleCorp (desde 2018) e UGNazi (desde 2017).

Apesar de ter adquirido fãs e admiradores que passaram a participar em seus grupos, CKW também atraiu haters que dizem que ela não passa de uma mentirosa. Como ela havia comprado domínios com nome dos grupos que diz integrar no dia de suas afirmações (conforme consta no Whois no UGNazi.org), alguns afirmam que foi tudo invenção dela para conseguir fama e atenção. Muitos consideram CKW uma paneleira por ela forçar memes manjados como Pepe e usar imagem de anime. Na época, usuários do RealChan ficaram irados ao descobrirem que a nova administração ficou ao cargo de uma mulher e abandonaram o chan (o público masculino sempre teve o histórico de tolerância zero ao público feminino nos chans, apesar de algumas exceções).

Biografia

Antes de 2019: Vida pessoal

CKW já afirmou ser adolescente e ter entre 13 e 16 anos, mas em outras ocasiões disse ter mais de 20 anos, então não se sabe ao certo sua idade, mas supõe-se que ela tenha nascido antes de 2003. Tudo que se sabe dela vem de suas próprias declarações.

Ela diz ter nascido e crescido na Indonésia. Tem uma mãe de origem chinesa e europeia (mestiça) e pai indonésio. Quando criança, teria sofrido muita discriminação por não ser muçulmana (oficialmente era cristã). Se mudou para o Brasil entre seus 8 e 9 anos e começou a se interessar por hacking após seu computador ter sido invadido. Sua primeira tentativa de ataque foi ao computador de sua escola para tentar mudar a nota, mas ela não obteve sucesso por falta de informação.

Fisicamente, ela diz ser ter pouco mais de 1,60m, olhos puxados, pele branca, cabelo curto (penteado chanel com luzes) e diz que costuma usar roupas pretas. Diz que raramente sai de casa, sempre foi "nerd" e, mesmo quando pequena, passava a maior parte do tempo brincando com Lego. Ela diz ser ateia e apolítica.

Como seu pai trabalha internacionalmente, já morou em vários países, incluindo China (fevereiro de 2020) e Jordânia (a partir de março de 2020). No Brasil, morou apenas no Acre, até 2019, onde aprendeu o português e se habituou à cultura brasileira. Ela diz que o Brasil é um país horrível que jamais voltaria a colocar os pés aqui, apesar de gostar da língua e algumas músicas do Brasil.

Seu nick seriam as iniciais do seu nome completo: Cahaya Kun Wengi. Como ela não tem cidadania brasileira, é impossível encontrar esse nome em registros cadastrais brasileiros.

Ataques em 2019

Ataques que ela diz ter feito em 2019 sob o nick "Al1ne3737".

Conselho Nacional de Justiça

No dia 1º de abril de 2019 (dia propício), invadiu os bancos de dados do Conselho Nacional de Justiça, tendo acesso a vários sistemas do órgão, tais como BMNP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões), SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), CNA (Cadastro Nacional de Adoção) e PJe (Processo Judicial Eletrônico). Além de acesso aos sistemas, também conseguiu acesso a um software do CNJ e por fim causou o vazamento de mais de 6 mil dados pessoais.[1][2][3]

#OpAssange

No dia 13 de abril, invadiu o sistema da Empresa Eléctrica Regional del Sur, do Equador, como parte da operação criada pela Anonymous pela prisão de Julian Assange #OpAssange e #FreeAssange, divulgando vários logins para acessos em todos os sistemas do órgão.[4]

#OpSudan

Durante o ano de 2019, por parte da operação criada pela Anonymous #OpSudan, conseguiu acesso a banco de dados de órgãos do Sudão como o Ministério do Planejamento Urbano, Centro Nacional de Transfusão de Sangue e o Conselho Nacional de Especialidades Médicas, divulgando logins e fazendo desfigurações de página nos órgãos em protesto pelo Presidente do país ter anunciado o aumento do valor por litro de gasolina de 1,38 para 3,31 dólares e também pelo país ter "tirado" a internet de seus cidadãos.

2020

Fevereiro: CKW na Wikinet

Em 8 de fevereiro de 2020, a CKW criou uma conta de usuário de mesmo nome na Wikinet, tornando-se provavelmente o primeiro registro dela no universo wiki que vem surgindo após o "efeito Wikipédia". No entanto, ela nunca mais editou desde o dia 11 de fevereiro, tendo usado a conta por apenas três dias.

Na conta, editou os artigos Castora, DPR (Dogolachan), Silk Road, DPR, Anonymous, GOEC e Emma Müller. Apesar dela não ter editado o artigo sobre ela, vários IPs e contas suspeitas o fizeram até o início de maio de 2020, quando houve as alegações de doxxing dela.

Fevereiro a abril: Chans brasileiros

No dia 15 de fevereiro, criou seu primeiro chan, o Pepechan, que durou apenas dois dias (terminou no dia 17 de fevereiro). Mais tarde, criou uma nova versão do falecido 77chan (que chegou a durar um mês) e também o 20chan (outro chanzinho irrelevante que durou pouco).

Também no dia 17 de fevereiro, logo após o fim do Pepechan, ela fez um ataque de DDoS no Salmãochan, deixando o site inativo por quase 24 horas. Com acesso a dados públicos, ela também realizou doxxing de Fernando Vallier (o provável GOEC) e de Rafaela Almeida Vivas da Silva (que se acredita ser a Salmão). Ela diz ter ódio de dogoleiros e que quase conseguiu descobrir quem é o DPR do Dogolachan antes de Technomage soltar os dados dele.

Por um curto tempo, foi administradora do Realchan e do Magalichan, ambos os quais foram dados a ela por Technomage em 26 de fevereiro, após o traveco resolver abandonar o universo dos chans. Com isso, ela se torna de espécie de "rainha dos chans".

No dia 7 de março, foi criado um fio em todos os chans BRs linkando um suposto doxxing da CKW. No entanto, ao entrar no link do doxxing, aparecia uma mensagem com o escudo da PF mostrando o IP detectado da máquina e dizendo que seria imediatamente enviado para as autoridades e denunciado por pedofilia. Isso deixou muitos anões com o cu na mão, mas não passava de uma pescaria de um gordo dogoleiro conhecido como D3xt3r.

No dia 19 de março, anunciou que pararia de mexer com chans e tirou do ar o 20chan, seu último chan. Mais tarde, no entanto, voltou a moderar tanto o Real quanto o Magali, enquanto o 20chan passou a redirecionar ao Real. Ao mesmo tempo, criou outro grupo no servidor de Discord dela chamado "Panelada", após pedir opiniões de seus leitores através de email sobre o chan. No entanto, devido ao bug nos textos não permitir postagens, foi obrigada a criar outro grupo no servidor "RealChan" e anunciar um convite para transferência do novo grupo. A partir da meia-noite (horário de Brasília) do dia 19 de abril, o RealChan passou a redirecionar para o link de convite do Discord. Desde então, vem atraindo usuários que postavam ou não nos chans fechados.

Maio: Suposto exposed

No dia 1º de maio, "Guilherme Briggs" (ex-moderador do Real) publicou os seguintes áudios de uma mulher mineira de 24 anos chamada Ariane falando um monte de bobagens, inclusive que bateu com a cara no vidro, afirmando que seria a CKW:

Esses áudios foram divulgados no Sanctos Da Discordia, Confraria Braziliense e outros cantos. Ao ser perguntada se já bateu com a cara no vidro no seu servidor "Realchan", CKW respondeu de forma suspeita e chamou a pessoa que fez a pergunta de "Chad" (um dos apelidos de Briggs). Ela então disse que ela nunca postou nenhum áudio na Internet.

Se ela for realmente a pessoa que fala nos áudios, isso contradiria com as afirmações de que ela é indonésia e o único estado em que morou no Brasil foi o Acre.

Desde abril: CKW no Discord

Depois que o "RealChan" virou um servidor do Discord e começou a atrair novos usuários, que postavam ou não nos antigos chans, teve vários outros nomes: incluindo Bonde da Árabia (sic) por quase uma semana até voltar a ser RealChan e em seguida "Cosa Nostra". Nesta época, ela teve como janitors e empregados Cirilo, Poneifag, Darkwave e Carluxo.

Ataque ao Revoluchan

Em maio de 2020, CKW realizou um ataque ao Revoluchan, o que acabou corrompendo o banco de dados do servidor e não foi possível realizar o restore. Cirilo, ex-dono do Revoluchan, decidiu refazer tudo do zero, mas após alguns dias decidiu voltar atrás na decisão e finalizar os projetos de liderança do Revoluchan e Magalichan. Correm rumores que ele tentou churrasco no banheiro após a CKW derrubar seu chan e fazer sua doxxagem.

Liderança de grupo hacker

No entanto, no dia 28 de maio, ela anunciou o fim do "Cosa Nostra" e disse que iria ter outro grupo de Discord. Supõe-se que atualmente ela é a líder de um grupo hacker chamado Pryzraky e do grupo do Discord Confraria Animefags junto com Kim, Porco, Darkwave, Yamato e ffd.

Nos primeiros dias de maio, criou a conta do Twitter @ckw_offensive, cujos tweets estão privados.

Países

CKW afirma ser uma hacker muito experienciada com um vasto repertório de ataques a vários sites governamentais e empresas. Ela já afirma ter hackeado sites de 38 países em todos os continentes do mundo, incluindo:

Governos cujos sites ela diz já ter invadido

Galeria

Circulam algumas supostas fotos da CKW, mas ela nega que sejam dela. Segundo membros da Confraria Braziliense, as fotos onde CKW aparece mascarada seriam de uma e-girl random, o que deixou CKW de bunda ardida, levantando mais suspeitas.

Salsa