Anonymous Brasil

De Wikinet
Ir para: navegação, pesquisa

Anonymous Brasil (ou simplesmente Anon) é o nome dado ao grupo filial brasileiro dos Anonymous que surgiu em meados de 2010 e que ganhou relevância por mobilizar as manifestações de 2013. O grupo original perdeu influência com as dissidências a partir de 2014.

História[editar]

Em 3 de março de 2014, em um comunicado publicado pela Anonymous Curitiba, que tinha assinatura junto com Anonymous FUEL em conjunto com outras comunidades do Facebook, as células locais anunciaram seu rompimento com a célula nacional Anonymous Br4sil, justificando desvirtuamento da ideia original do Anon, que é apartidário, antiliberal, contrário ao sistema representativo e a favor do participativo.

No manifesto, os integrantes da célula curitibana afirmam que "um grupo que reproduz noticias da grande mídia não pode ser levado a sério" e que apenas "se reproduz e cospe o senso comum". Outra questão que pesou nas células é que o Anon Brasil se aliou a grupos conservadores que mais tarde viraram "mais um movimento contra a corrupção". De acordo com eles, isto contraria o ideário do grupo, que não luta contra a corrupção partidária ou individual, já que estes problemas estariam atrelados a uma questão (corrupção sistêmica) muito mais profunda do que o senso comum prega, de acordo com o ideário. "Isso quer dizer que nós não repudiamos a corrupção do poder público? Não, de forma alguma. Só entendemos que ‘corrupção’ é um conceito muito vago, além de ser apenas um reflexo de um problema que é muito maior", diz a nota do Anonymous Curitiba. Na sequência eles atentam que "Anonymous é a hiperdemocracia, tecnocracia e total liberdade de expressão" e chamam a atenção para o fato de que a página Anon BR não faz nenhum destes debates.

Eles também explicam a relação do Anonymous com o sistema democrático e fazem críticas por conta da página do Anon BR criticar apenas o Partido dos Trabalhadores.

Não acreditamos no sistema representativo, então, pouco importa qual partido está no poder, ele não nos representa. É importante deixar claro que apartidarismo não é apenas não militar por partido algum, mas também é não militar contra um partido específico. Logo, podemos desconfiar do apartidarismo de algumas páginas apoiadas pela Anonymous Br4sil.

—crítica do manifesto

A nota de repúdio também é assinada pelo Anonymous FUEL Br, que complementa, em sua página do Facebook:

Na verdade, a FUEL teve início como célula justamente em função desse problema. Para quem não sabe ou não se lembra, mais da metade de nossos membros “fundadores” se retirou da AnonymousBrasil (a.k.a. TV Globinho) por entender que aquele espaço era corrompido e realizava um contra-serviço para a Ideia

.[1][2]

Por volta de 2015, surgiu uma dissidência do Anonymous Br4sil chamado de Anonymous (AnonOpsBR), que começa aos poucos a ser conhecida em 2016.

Em 1º de julho de 2016, a célula dissidente Anonymous (AnonOpsBR) anunciou na internet que teve sucesso em sequestrar, por meio de ransomwares, computadores da AnatelWikipedia's W.svg (Agência Nacional de Telecomunicações). Segundo o grupo, em manifesto, "o objetivo é cobrar da agência uma posição firme, imutável e permanente sobre o fim da franquia de dados na internet fixa". "Eis que hoje, dia 1 de julho de 2016, inauguramos uma nova fase nas ações hackativistas pela liberdade da informação no Brasil. Há algumas horas, diversos computadores da Anatel previamente identificados como alvos estratégicos pelos Anonymous sofreram um ataque de ransomware", complementa o manifesto.[3]

Nos primeiros dias de 2017, o Anonymous Br4sil ganhou relevância nacional depois de vazar dados pessoais do então ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto KassabWikipedia's W.svg, no Governo de Michel Temer. O motivo do vazamento foi devido às declarações feitas por ele sobre o fim da internet ilimitada na banda larga fixa no Brasil que foram publicadas pela imprensa. Isto enfureceu usuários nas redes sociais (que temiam pagar a internet cara com baixa velocidade com a implantação do limite da internet fixa) e na postagem o grupo no Facebook (13 de janeiro) fez a seguinte ameaça: "operadoras não se atrevam", referindo-se ao limite da internet fixa. A reação dos Anons e dos brasileiros na internet fizeram com que o ministro e o governo recuassem da polêmica proposta.[4]

Na manhã do dia 20 de maio de 2017, a AnonOpsBR invadiu o banco de dados da FriboiWikipedia's W.svg e, de acordo com um manifesto, o grupo hacker estava com diversas senhas de acesso, além de ter implantado usuários no banco de dados e estar monitorando a navegação local. "Estamos com suas senhas e acessos monitorados... Não se preocupem porque mudamos algumas etiquetas na sua área de produção e criamos alguns usuários dentro dos seus 9785", escreveu a Anonymous. Na íntegra: "Aos trabalhadores dessas empresas, saibam que o problema não é com vocês, e sim com essa corja de ladrões, corruptos e filhos da puta que estão acabando com o nosso povo e nosso país".[5]

Em 22 de maio, a Anonymous realizou Operação Fora Temer (#OpForaTemer) e divulgou dados dos ministros do Governo Temer. "Saudações, cidadão brasileiro.

Nós somos os Anonymous. Somos a voz daqueles que não têm voz. O senhor presidente da república Michel Temer será o principal alvo de nossas operações. Declaramos guerra a qualquer autoridade, seja política ou não, que oprime a população. Não somos um movimento partidário, e qualquer governo, seja de direita ou esquerda, que por sua vez prejudica a grande maioria esquecida, nós estaremos aqui para lutar por eles".

Estranhamente, o grupo faz essa declaração:

As reformas propostas pelo seu governo são uma afronta aos direitos humanos, aos direitos trabalhistas do pobre, beneficiando somente o empregador e não o empregado. A reforma da previdência é uma afronta à população sofrida, e a lei da terceirização é uma afronta aos trabalhadores que por tanto tempo dedicam sua vida em busca de condições melhores para sobreviver.

[6]

Em 26 de maio, o site pessoal de Michel Temer foi atcado em continuidade da #OpForaTemer.[7]

No dia 29 de maio, a célula AnonOpsBR voltou a realizar nova invasão que desta vez expôs 280 contas de email ligadas ao JBS (uma das maiores indústrias de alimentos do mundo) envolvida nos recentes escândalos do governo brasileiro revelados pela Operação Lava Jato.[8]

Em 2018, especialmente no mês de setembro, hackers ligados à Anonymous realizaram dezenas de ataques relacionados aos candidatos e outros temas recentes. Um dos exemplos são várias células AnonopsBr e Anonyinfo que realizaram ataques diversos sob a Operação Eleição Contra o Fascismo (#OpEleiçãoContraOFascismo). Sites ligados aos governos federais, estaduais e municipais já foram invadidos pelos hackers.

Na noite do dia 24 de setembro de 2018, a célula AnonOpsBR voltou a hackear, desta vez visando os sites do Ministério da Defesa. Segundo a célula, o Ataque foi realizado contra o fascismo e em protesto à "postura antidemocrática dos generais Villas Boas e Mourão". No entanto, usuários nas redes sociais e até Anons passaram atacar e questionar as ações da AnonOpsBR por desconfiar que o grupo fosse esquerdista, o que contraria o espírito dos Anons, que nunca posicionam a favor da direita ou da esquerda.[9]

No entanto, após uma enxurrada de comentários negativos na internet afirmando que a Anonymous no Brasil estaria divergindo dos ideais do grupo e que estariam apoiando um determinado candidato da esquerda, a Anonymous Internacional veio a público afirmar que apoia a operação das células brasileiras, reafirmando sua missão e seus valores e que sempre será antifascista.[10]

Em nenhum momento, a Anonymous no Brasil fez qualquer declaração contra a esquerda, socialismo ou comunismo.

Por meio da conta AnonyPress, no Twitter, o grupo hacktivista escreveu em inglês:

#Anonymous is and will always be antifascist. We're against oppression and will continue to fight it in all forms. Congratulations Anonymous in Brazil,

Ministry of Defense was hacked by them against fascism.

—https://t.co/xTnR9UzGzz — Anonymous (@AnonyPress) 25 de setembro de 2018

A Anonymous é e sempre será antifascista. Nós somos contra a opressão e iremos continuar lutando contra ela em todas as suas formas. Parabéns aos Anonymous no Brasil, o Ministério da Defesa foi hackeado por eles contra o fascismo”.[11]

Após isso, a conta foi suspensa.

A AnonOpsBr realizou uma ação “física” na cidade de Santos, litoral de São Paulo. A ação, como um flash mob, foi pensada para jogar luz sobre o maltrato e a exploração de animais feitos pela indústria. "Ação em Santos SP contra o maltrato de animais e também contra a exploração de animais feito pela indústria", escreveu a célula. "Aquilo que eles chamam de comida, mas que na verdade, são pedaços de corpos de animais massacrados e explorados pela indústria da exploração animal", completou em outro tweet.[12]

Salsa

  1. Por Redação. Por divergência política, células Anonymous rompem com AnonymousBrasil Revista Fórum, 7 DE MARÇO DE 2014, 13H16
  2. Revista Fórum. Por divergência política, células Anonymous rompem com AnonymousBrasil Folha Diferenciada, 9 DE MARÇO DE 2014, 23H29
  3. Anonymous sequestra PCs da Anatel e exige ação contra internet limitada Folha Diferenciada, 1 DE JULHO DE 2016, 18H09
  4. Anonymous ameaça governo caso limite de banda larga seja aprovado no Brasil Diário de Canoas, 13 DE JANEIRO DE 2017, 16H34
  5. Anonymous invade, rouba senhas e vaza banco de dados da Friboi (JBS) Tec Mundo, 20 DE MAIO DE 2017, 9H01
  6. Felipe Payão (@felipepayao).Anonymous expõe dados sensíveis de Michel Temer e ministros do governo Tec Mundo, 22 DE MAIO DE 2017, 11H35
  7. Felipe Payão (@felipepayao).Célula da Anonymous ataca novamente site de Michel Temer Tec Mundo, 26 DE MAIO DE 2017, 14H47
  8. Felipe Payão (@felipepayao).Anonymous divulga emails da JBS envolvidos em escândalo do governo. Tec Mundo, 29 DE MAIO DE 2017, 12H09
  9. Felipe Payão (@felipepayao). Anonymous hackeia Ministério da Defesa em 'protesto contra o fascismo' Tec Mundo, 25 DE SETEMBRO DE 2018, 11H02
  10. Felipe Payão (@felipepayao). Secretaria de São Paulo é hackeada e tem logins vazados por Anonymous Tec Mundo, 18 de outubro de 2018, 14h54
  11. Felipe Payão (@felipepayao). Anonymous internacional apoia ataque de célula brasileira contra Ministério Tec Mundo, 25 DE SETEMBRO DE 2018, 15H40
  12. Felipe Payão (@felipepayao). Anonymous Brasil sai da internet e faz protesto em Santos/SP Tec Mundo, 11 DE JANEIRO DE 2019, 15H29

Links externos[editar]