Este artigo tem relação com chans. Clique aqui para mais informações.

4chan

De Wikinet
Ir para navegação Ir para pesquisar
Ambox plus.png Este artigo precisa de mais informações sobre raids, epic wins e momentos históricos do 4chan
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais informações sobre raids, epic wins e momentos históricos do 4chan.
Sua primeira reação ao visitar o 4chan.

4chan é muitas coisas para muitas pessoas. Para o Fox News, 4chan é a MÁQUINA DE ÓDIO DA INTERNET, que abriga terroristas domésticos. Para outras pessoas, é apenas um lugar cheio de weeaboos, furries, trolls, crianças e pedófilos que ficam fazendo shitpost o dia inteiro pela falta do que fazer.

Enfim, parando com esta bosta, o 4chan é o chan/imageboard mais popular da Internet. Foi fundado em 1 de outubro de 2003 por moot (powerword: Christopher Poole, mas alguns ainda contestam) pra ser uma versão em inglês do Futaba Channel, um imageboard japonês, que por sua vez tinha se inspirado no 2channel. Ou seja, é cópia atrás de cópia, parece a programação de TV brasileira.

A princípio, o 4chan era um site totalmente weeaboo, mas evoluiu de seu design original para a máquina de caos da Internet. O /b/ (random), de longe a sua board mais movimentada, não tem regras e foi responsável pela criação de alguns memes que são compartilhados até hoje na Internet.

Sendo assim, os /b/tards se consideram "celebridades" da Internet e querem ter seus rostos anônimos estampados na Internet toda, mesmo prezando pelas regras 1 & 2.

Diário de um newfag[editar]

Em abril de 2011, a revista Superinteressante publicou uma matéria dedicada ao 4chan.[1] Na matéria, um dos repórteres da revista resolve frequentar o mar de mijo que é o 4chan por um mês.

Ele, por ser moralfag (o que é de se esperar de um repórter da Superinteressante), se impressionou bastante com a cultura channer (da qual ele não se aprofundou nem um pouco), tentou visitar chans brasileiros também, sendo imediatamente banido do 55chan. Também conversou com o Zoucas e o Raphael Mendes.

Enfim, leia a porra da matéria e tente não dropar na metade só por ser TL;DR. Aqui está uma cópia da matéria, para você não ter o trabalho de abrir o link ou para caso dos viados da Superinteressante decidam tirar do ar (te obrigando, assim, a comprar a revista deles):

  • Dia 1 - Sinto o que meu pai deve ter sentido quando usou e-mail pela primeira vez: perplexidade. O site é incrivelmente caótico. Não sei o que fazer nem para onde ir. Decido escrever um post, singelo, com uma imagem de South Park e uma saudação. Após clicar em ok, não o vejo. É como se tivesse soltado a foto em um vendaval: são tantas mensagens que a minha vai direto para a página 2.
  • Dia 2 - Conheço, pela internet, um "anão" (como os usuários brasileiros se denominam). Ele topa ser meu guia no 4chan.
  • Dia 3 - Procuro informações a respeito do 4chan no Orkut e no Facebook. Nada relevante. Eles valorizam mesmo o anonimato. Rede social é coisa de quem quer aparecer.
  • Dia 4 - O site é feio, tem um visual antiquado. São dezenas de fóruns bagunçados, e é difícil entender a dinâmica de interação entre os usuários - que não têm avatar, perfil, nada. É um anti-Facebook. Percebo que os channers abominam o “câncer” – termo nada elogioso que usam para se referir aos novatos no 4chan, como eu.
  • Dia 6 - O canal /b/ é dominado por uma discussão bairrista. Americanos ridicularizam a obsessão pela cor verde dos irlandeses, que retribuem dizendo que a cultura ianque é tão ruim quanto a comida. Tento fazer contato educadamente, perguntando o que acham dos brasileiros. Ignoram. Xingo-os em português. Sou ignorado de novo.
  • Dia 7 - Entro na nova versão do fórum brasileiro 55chan, que havia saído do ar. Os “anões” cogitam derrubar o blog de humor Bobagento, pois o acusam de ser um copiador de piadas e memes. Falo com o dono do blog, Raphael Mendes, que faz pouco caso: "pura choradeira de adolescente rebelde sem causa". Dias mais tarde, eu conversaria com o designer Cristiano Zoucas, um dos criadores de outro fórum, o Brchan, visto por muitos usuários do 55chan como um rival.
  • Zoucas fala da diferença de perfil dos usuários dos dois sites. “A gente acha que só vale a pena atacar alguém se for para mostrar algo que está errado no mundo. No 55chan eles não gostam da cara do sujeito e já é motivo para fazer ‘raid’” (como os ataques orquestrados são chamados). “Acima de tudo, um chan é um lugar para criar memes, não um lugar para racistas e pedófilos se encontrarem”, afirma Zoucas, que lembra de alguns memes brasileiros nascidos no Brchan, como a “Magali dançarina”, que foi parar até no Fantástico.
  • Dia 9 - Volto ao /b/. Tento novo contato, pergunto qual é a graça do anonimato. Sou ignorado. Fico preocupado com meu comportamento de “câncer”.
  • Dia 11 - Volto ao 55chan e pergunto por que eles gostam de ser assim. Sou imediatamente banido do site.
  • Dia 12 - No /b/, o destaque do dia são fotos de sexo bizarro. Tenso.
  • Dia 15 - Usuários espanhóis criam um tópico para enaltecer seu país. Acabam atraindo ofensas de estrangeiros, que os chamam de machistas, atrasados, racistas e franquistas, que vão arrastar a Europa para o buraco com sua crise econômica.
  • Dia 16 - No canal /jp/, de cultura nipônica, a grande discussão é: "se seu computador fosse uma youkai [criatura do folclore japonês], como ele seria?" Na bizarrice do /b/, um tópico sobre bondage, tipo de fetiche sexual, tem mais de 100 imagens. Participo com uma foto de coprofilia. Queria ver a reação deles ao participar com algo que fugisse do assunto do tópico. Mas nem me dão bola.
  • O 4chan parece uma disputa de quem tem a foto mais legal/bisonha/chocante. Cogito subir a mesma imagem nojenta no /cgl/ (cosplay) mas desisto com medo de ser banido. Pornografia é proibido fora do /b/ e não quero chamar atenção dos moderadores (que também são anônimos e nunca se sabe estão fazendo vista grossa ou não). Com acesso a meu endereço IP, eles podem me banir temporariamente do site.
  • Dia 17 – O debate religião x ciência, recorrente no 4chan, é o tema do dia. Há argumentos extremistas de ambos os lados, e ninguém se sobressai. No canal /soc/ (social), alguém pede que meninas virgens mostrem seus corpos. Surgem 46 fotos, algumas de nudez explícita.
  • Dia 18 - Mostro as piores imagens do 4chan a meus amigos. Uma delas tem um homem fazendo, er, amor com um cacto. Eles não sabem da matéria e demonstram preocupação com meu estranho e crescente interesse em zoofilia. Tenho passado pelo menos 2 horas por dia no site, e ando mesmo perturbado.
  • Dia 19 - Está chegando o dia dos namorados nos EUA, e o tópico a respeito bomba. São 154 comentários, a maioria dizendo "vou passar a data sozinho". Há também brincadeiras típicas do Orkut, como "você beijaria a pessoa de cima?". Tento fazer amizade, mas sou desprezado e, ao usar a bandeira do Brasil para me aproximar, recebo respostas homofóbicas.
  • Dia 20 - A renúncia do presidente egípcio Hosni Mubarak gera um tópico surpreendentemente civilizado. Ícones como Che Guevara são lembrados, e os egípcios recebem dos ocidentais boas-vindas a uma suposta democracia na internet.
  • Dia 23 - Fiquei fora do site por 2 dias. Não suportava mais ler piadas sem sentido e extremismos constantes. O trabalho de repulsa ao "câncer" parece funcionar.
  • Dia 26 - Discussão elevada. No /lit/ (literatura), um tópico sobre a influência da vida perturbada de pintores e escritores em suas obras gerou comentários como "Edward Munch seria um alcoólatra depressivo, fosse ou não artista".
  • Dia 30 - Levo um pouco da nova cultura brasileira ao 4chan: o grupo de funk Avassaladores, sucesso no YouTube com a música “Sou Foda”, que teria sido descoberto no Brchan. Ninguém entende.
  • Dia 31 - Terremoto devasta a Nova Zelândia, e aparece um tópico rindo disso. Indignado, um "anon" divulga o e-mail e número de telefone do criador desse post. Outro tópico pede links para o vídeo de uma jornalista americana sendo agredida no Egito - e é atendido.
  • Por fim, duras críticas à cobertura da mídia sobre a Líbia: "Só falam sobre o efeito disso nas bolsas e no preço do petróleo. P*rra de prioridades, não?" Os usuários do 4chan podem ser grosseiros, maldosos e anárquicos, mas também têm consciência social.

Galeria[editar]

Ver também[editar]

Ligações Externas[editar]

Salsa

  1. super.abril.com.br/tecnologia/diario-mostra-como-ser-novato-4chan-624498.shtml - "Diário mostra como é ser novato no 4chan", h8rs gonna h8.


Moots.jpg


4chan logo.png

4chan faz parte de nossa série de artigos sobre
chans
Visite o Portal:Chans para mais artigos do gênero.